“Valorização do Idoso”

“Valorização do Idoso”

Maria Luisa Cortillazzi

2°B

É possível observar no hodierno, os avanços tecnológicos e científicos consentidos na medicina, possibilitando meios mais eficazes de curas e proteções às doenças. Tal progresso evolutivo, auxiliou no aumento da taxa de longevidade, ou seja, ampliação na expectativa de vida. Entretanto, os idosos são alvos de limitada valorização e respeito na sociedade contemporânea. Com base no apresentado, torna-se necessário um debate visando práticas para seu enaltecimento e cautela à vida.

                Segundo o estatuto do idoso, esses devem receber acesso à moradia, saúde, alimentação, educação, cultura, além de não serem objetos de negligencia, discriminação ou violência. Porém, nossos ancestrais não estão recebendo o tratamento adequado, além de uma parcela ser colocada em casas de repousos, cujas, a maioria não apresentam estrutura e investimento adequado. Tal ação é característica da modernidade líquida, como determinada por Bauman, uma vez que, a população se encontra em uma vida massificada, impossibilitando os cuidados aos demais, além de encurtar o tempo de lazer.

Como retratado nos filmes do stremming  Netflix “Dançarina Imperfeita” e “Para Todos Os Garotos Que Já Amei: P.S. Ainda Amo Você”, ambas as protagonistas realizam trabalhos voluntários em asilos, e este contato entre o presente e passado, torna-se essencial na vida das duas geração. Ademais tal troca demonstra com clareza a dificuldade da terceira geração em se adaptar a era tecnológica e suas culturas. Um exemplo disso, são as novelas, que surgiram nas rádios e se adaptaram na televisão, mas, atualmente perderam suas repercussões para as séries, cujas se enquadraram nos hábitos de vida moderna.

                O poema “Seiscentos e Sessenta e Seis” de Mario Quintana, revela a rapidez da vida e aconselha aos jovens a aproveitarem esta. Este tema, foi debatido no período literário Arcadista, que defendia, principalmente o Carpem Diem (aproveite o momento). Em sintonia ao apresentado, o filme de animação “Up-Altas Aventuras” se condiz com o contexto.  Cujo, em suma, conta a história de  Carl, um idoso solitário que decide se aventurar com um meninoe fazer uma viagem de balão. Isto nos permite concluir que a idade não se torna um empecilho para a realização de ações.

                Portanto, assim como afirmam Platão em: “Devemos aprender durante toda a vida, sem imaginar que a sabedoria vem com a velhice” e Cecília Meireles no seu poema “Retrato”, não escolhemos as mudanças fisiológicas recebidas com a idade, porém essas são marcas de nossa existência. Com base nisso, cabe ao Estado investir nas práticas escritas no estatuto, que infelizmente não são vista em execução na contemporaneidade, e em casas de repousos, objetivando o melhoramento nos cuidados e comodidade. 

Deixe uma resposta